fechar
Literatura

Percorrendo territórios, publicação Indígena Bilíngue tem lançamento em Porto Alegre

Teko Jexauka – ensinando nosso modo de ser – crédito Dani Eizirik (6)

O impresso “Teko Jexauka – ensinando nosso modo de ser”  (Riacho, 32 págs., R$10,00) reúne apalavrares da oralidade, desenhos, fotos e colagens do trânsito no tempo e nos territórios da Tekoa Mymba Roka e Tekoa Yv’a (SC) e Maquiné (RS). Na parceira do artista Daniel Kuaray Papa, com liderança espiritual, jovens da aldeia e escola da comunidade, a publicação-ponte compõe parte de uma caminhada na tradução de saberes junto a Dani Eizirik e Gabi Bresola, olhares sobre a educação autônoma e a arte guarani na cultura contemporânea.

 O lançamento acontece em Porto Alegre, no dia 19 de agosto (sábado), às 9h, na Banca do Meio da FAE – Feira dos Agricultores Ecologistas (Banca do Meio: Rua José Bonifácio). A atividade começa com a presença do autor Daniel Kuaray Papa e continua às 10h com roda de mate e troca de ideias. A publicação bilíngue português/guarani estará disponível para a venda no site do selo Riacho e Ombu (em formato digital) e na livraria Via Sapiens (Porto Alegre) e Banca Tatui (SP). A distribuição da publicação começou pelas comunidades e seus territórios, passando por aldeias guarani antes de chegar na cidade e internet. O percurso de lançamento formou rodas de conversa nas aldeias Tekoa Mymba Roka, Tekoa Yv’a e Tekoa Itaty (SC), Guyra nhendu, Takua Hovy e Jatai’ty (RS). Também estão previstas ações presenciais em agosto, em comunidades indígenas de Santa Maria (16) e Viamão (18) no RS, e nas cidades de Porto Alegre (19) e Florianópolis (SC). “Eu tava refletindo ontem a noite, para expandir – quando a arte é tudo, eu queria mostrar qual é o segundo, qual o terceiro, qual o quarto… porque quando falo ‘arte é tudo’, vem a linguagem, vem a história, a ciência, as geografias, tudo, tudo”, avalia Kuaray no capítulo intitulado Tudo, que abre a publicação. “Pra mostrar como é a arte (…), eu tava só refletindo. Não sei como expandir esse conhecimento para não-indígena e próprio guarani no mundo perceber que todos somos artistas”, conclui. Perspectivas  sobre educação, arte, saúde, território. Tradução de saberes. O trabalho resulta de uma caminhada de criação coletiva e participativa, com imagens multiplas e transcrição da oralidade, encontros, desenhos e registros fotográficos junto a jovens da aldeia entre 2019 e 2023. A frase Teko Jexauka que dá título ao impresso primeiro foi traduzida como “mostrando o cotidiano da aldeia” e depois “ensinando nosso modo de ser”. Na última noite do projeto os realizadores começaram a entender Teko Jexauka como “o próprio estado de abertura”, “a cultura de se abrir para o novo”, “o encontro como processo de transformação”. O texto inclui ainda um pequeno glossário e um guia de como ler as palavras guarani mbya. A proposta da publicação em formato de jornal é “traduzir o cotidiano da aldeia” e inclui o transitar pelos territórios e suas práticas: a poesia do escutar, do colocar o corpo. O processo de edição foi parte presencial, com impressos, e trocas por mensagens via celular, mas foi sempre no encontro, que se manifestaram as imagens e palavras mais vivas, segundo os produtores da publicação. E isso se reflete no desenho como cultivo de territórios e atividades, na abertura para brincadeira, para a constante adaptação do planejamento, e os diferentes estados de espírito pessoais e comunitários. Projeto realizado através do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura 2019 – Povos Indígenas, Fundação Catarinense de Cultura e Governo do Estado de Santa Catarina.

Serviço: Impresso “Teko Jexauka – ensinando nosso modo de ser” (2023) Riacho: 32 págs., R$ 9,00 – Bilíngue: português e guarani mbya; Sessão de autógrafos: 19 de agosto (sábado), na FAE – Feira dos Agricultores Ecologistas (Porto Alegre: Banca do Meio | Rua José Bonifácio), às 9h;  Onde comprar (digital): Riacho ou Ombu Livrarias: Via Sapiens (Porto Alegre) e Banca Tatui (São Paulo); Informações: tekojexauka@gmail.com | https://riacho.me/

Vinicius Mitto

Autor Vinicius Mitto

Vinícius Mitto é professor e arquivista, mas se declara um curioso-perguntador. Botou o #BahGuri no ar para se divertir e fazer novos amigos. Em 2020 o blog se tornou um bloco de carnaval e arrastou 50 mil pessoas em Porto Alegre.

Deixe uma resposta